As seguintes imagens são do acordo do Fundo Monetário Internacional (FMI) de 17 de Maio de 2011. Ora, quem não conhece a realidade tem a tendência para pensar que a reforma do código do trabalho de que tanto se tem falado nos últimos dias (estamos a 19 de Janeiro de 2012) foram propostas pelo governo liderado pelo Passos Coelho. Ora, este ultimo não está a fazer nada mais do que seguir as ordens do FMI, e como se pode ver, está a faze-lo dentro dos prazos, de forma diligente e obediente, pois ‘T4-2011’ indica que a alínea em questão deve ser aplicada antes do ultimo quarto do ano de 2011 enquanto que ‘T1-2012’ significa que a alinea deve ser aplicada antes do final do primeiro quarto de 2012.

       A alínea i. do ponto 4.5 é particularmente perversa, pois significa que o FMI está a comunicar ao Governo Português, que por sua vez irá comunicar ao sector publico e privado, como despedir trabalhadores por ‘justa causa’- Definir metas inatingíveis ao empregar o trabalhador para o poder posteriormente despedir mais facilmente quando este for arbitrariamente definido como sendo dispensável. Este é somente um exemplo entre muitos que mostra a natureza desprezível do documento em questão assim como o ‘endendimento’ no seu todo.

João Silva Jordão