O Desastre da Líbia Pós-Ghaddafi e o Filme Anti-Islão

O filme que ilustra o profeta Maomé (que a paz esteja com ele [q.a.p.e.c.e.]) de uma maneira crude e insultuosa, alegadamente produzido por um Israelita, está a provocar uma onda de indignação e violência no mundo Islâmico. Existem várias dimensões de grande interesse a analisar na mais recente controvérsia relativa à ilustrações do profeta (q.a.p.e.c.e.), assim como a reação que provoca entre os muçulmanos.

O consulado Americano em Benghazi, Líbia, depois do ataque

O primeiro facto a constatar é que a verdadeira identidade do autor do filme ainda não está confirmada. A tentativa de identificar o autor do filme como sendo Israelita tenta fortalecer a dicotomia que opõe os Judeus aos Muçulmanos, perpetuando assim o conflito regional no Médio Oriente. Porém muitos afirmam agora que o verdadeiro autor é de facto um homem da California. Os insultos ao profeta (q.a.p.e.c.e.) ou ao Islão são muitas vezes instrumentalizadas por razões políticas, seja por muçulmanos ou pelos seus antagonistas. Este exemplo será sem duvida mais um caso disso mesmo, como podemos constatar pelas declarações de Obama, que prometeu retaliação pelo assassinato do Embaixador Americano na Líbia, J. Christopher Stevens.

Os ‘rebeldes’ da Líbia, previamente apoiados incondicionalmente pela NATO, arrastam o corpo do Embaixador Americano, Christopher Stevens

Por sua vez as declarações de Obama demonstram mais uma vez as profundas  inconsistências na política externa dos Estados Unidos da América, qualificando o assassinato de ‘violência sem nexo’, quando a política de agressão dos Estados Unidos já causou, se considerarmos somente o Iraque, cerca de um milhão de vitimas. Qualificar o assassinato de um homem, por muito condenável que este acto seja, de ‘violência sem nexo’ vindo da força imperialista mais violenta no mundo é, no mínimo, um profundo acto de hipocrisia.

Ainda para mais, o mesmo Obama jurava meses atrás aliança aos ‘rebeldes Líbios’, que desde Fevereiro de 2011 lutaram na guerra contra Muammar Ghaddafi. Porém, desde muito cedo que a narrativa do bloco Ocidental em relação aos acontecimentos da Líbia se revelou ser completamente falsa. Primeiro de tudo, os ‘rebeldes Líbios não eram tão Líbios quanto isso. O Qatar admitiu ter enviado centenas de tropas para ajudar a derrubar o Ghaddafi, enquanto que o Reino Unido, um dos atores principais da guerra propagandista, apoiou os ‘rebeldes’ desde o inicio, sendo que o MI6 em particular teve um papel importante. A BBC já admitiu o papel ‘secreto’ das tropas Britânicas desde o inicio do conflito, afirmando que a sua presença não se limitou a apoio aéreo: tropas Britânicas estavam desde Março de 2011, ou seja, no começo da crise na Líbia, no terreno a apoiar o Concelho Nacional de Transição. Entretanto surgiram noticias que demonstram que o envolvimento de tropas Francesas, Italianas e até Canadianas foi muito mais profundo do que foi admitido nas primeiras instâncias da guerra.

São estes mesmo rebeldes que o bloco da NATO apoiou que agora estão a ser culpados pelos Estados Unidos da América pelo assassinato do Embaixador Americano na Líbia. Mas sem o apoio da NATO estes nunca teriam chegado ao poder. Desde muito cedo, os próprios rebeldes demonstraram ser altamente instáveis, lutando constantemente entre si, sendo em particular os conflitos entre os rebeldes relativamente ao controle do aeroporto de Tripoli uma fonte constante de violência.

Os ‘rebeldes’ perto do Aeroporto de Tripoli, Líbia

Mais chocante ainda é a infiltração de forças da Al-Qaeda entre as forças rebeldes, facto que em nada enfraqueceu o apoio da NATO.

Al-Hasidi, um dos vários membros dos ‘rebeldes’ que é suspeito de ter fortes ligações à Al-Qaeda

Entretanto os protestos contra o filme que insulta o profeta Maomé (q.a.p.e.c.e.) e o Islão que foi recentemente lançado continuam a espalhar-se pelo Médio Oriente. Primeiro foi o consulado Americano em Benghazi, depois foi a embaixada Americana no Iémen, e agora a embaixada Americana em Cairo. Mas estes protestos demonstram mais do que a frustração na comunidade Islâmica em relação à constante agressão de que são vitimas, sejam estas agressões militares ou verbais. Sobretudo, demonstram o fracasso da política externa do bloco Ocidental no Médio Oriente e a aparente inevitabilidade do alastramento do conflito para outros países de maioria Islâmica.

João Silva Jordão

Advertisements

15 thoughts on “O Desastre da Líbia Pós-Ghaddafi e o Filme Anti-Islão

  1. Seco says:

    Violência gera mais violência, seja fisica verbal ou outra. Simplesmente lamentável o estado a que chegamos no Seculo XXI, incompreensão entre religiões que têm mais em comum do que diferenças, ganância pelas riquezas alheias etc. Se no inicio dos anos oitenta nos dissessem que duas ou tres decadas depois de nos livrarmos do medo causado pela guerra fria e das injustiças da colonização iriamos chegar a este ponto julgo que dificilmente acreditariamos. Ou o ser humano é na generalidade mau ou estúpido.

  2. Olá Filhos da Puta anti-Ciganos! says:

    Recomendo o Analista Inglês: Dan Glazebrook Y o Pepe Escobar, para um digressão pela Infâmia Líbia 2011.

    É abjecta hipocrisia o espanto Obama/Hillary/Media face a este acto – deveras revelador – do verdadeiro lugar dos EUA no contexto Líbio. Os EUA foram colocados no Lugar. Um Lugar que afinal – bem avaliadas as coisa – o merecem.

    Quem ( Hillaries/Obamas/ Jornalistas de renome etc ) continua a encher a boca a intitular – com ares entre a exultação Y a sacralização – de “Manifestantes Pacíficos” indivíduos cuja acção cívica foi esta http://www.youtube.com/watch?v=uCiLBq-Qj2k&feature=plcp Y continua a ser assim http://www.scoop.it/t/seif-al-islam-al-gaddafi?page=3 – não tem de se queixar de nada.

    Lembrar que o 1º Vídeo ocorreu em Benghazi na primeira noite em que a NATO começou a Bombardear a Líbia.

    A NATO arrasou a cidade Líbia de Sirte – Y os Media silenciaram TUDO. Foram bombardeados HOSPITAIS, Escolas, zonas residenciais Y todos aplaudiram.

    O Embaixador dos EUA Tomou do veneno que deu a Tomar. Ele sabia que estava entre o veneno. Não há inocentes na questão Líbia. A Líbia é uma Infâmia para a Humanidade.

    O Mais decente Y valoroso dos Humanos na Líbia 2011 é inequivocamente: Saif al Islam Kadhafi. Um homem Maior, não só da Líbia como o é da Humanidade. Y o Mundo? Vai deixá-lo ser Assassinado, como deixou, em silêncio Y aplaudindo, que bombardeassem Hospitais.

  3. Maria de Lourdes Alvarezs says:

    Inadmissível o que estão a fazer ao Norte de África, em nome de uma suposta democracia, que é sim, uma ditadura mercantil, das grandes corporações mundiais. Todas as pessoas que chegaram a DEUS, por uma, de qualquer religião, ou cultura e educação, devem se unir e implementar um novo sistema sócio-politico, que ponha travão a isto. Está criado o grupo : UNIDADE EM LUZ que tem este desiderato, Foi criado em Portugal, este sistema sócio-politico, não partidos politicos, e a legislação é emanada por toda a população, por metodologia de decisão multi-critério.
    A descida da Chama do Espírito Santo é já uma realidade para muitos portugueses, e torna-se possível, trabalhar em colectivo, criando e implementando o designado sistema. O sistema integra a “essência divina” da diversidade cultural, e tem como ferramenta a tecnologia, desenvolvida pela ciência. A sua estratégia de implementação é plurinacional.
    As culturas Cristãs e Islâmica, são determinantes, no sucesso desta implementação.

    1. jack madruga says:

      Que Deus o ilumine para que possa medir as palavras que acabou de escrever, sou apenas mais um Cristão, não professo violência nem morte, mas já a minha avó me ensinou, quem com ferros mata com ferros morre

  4. Carmo says:

    O senhor João parece querer inocentar os rebeldes, querendo pôr a culpa no Ocidente. Porque não reconhece que existem e sempre existirão extremistas nas religiões e que a culpa é deles e não de terceiros? Sobretudo na religião muçulmana. Terroristas, suicidas às centenas. Sendo o senhor português (ou pelo menos tem um nome bem português) gostava de saber há quanto tempo é muçulmano e, se tiver sido um caso de conversão, o que o levou a converter-se. Ou será que não passa de um jovem desocupado que resolve criar um blog islâmico para aparecer?

  5. Márcio says:

    os muculmanos vivem a idade media que os ocidentais já viveram, e para complicar têm petroleo coisa que os ocidentais precisam, depois é ver este conflito de interesses, politica e religião deviam andar bem separadas mas tal não acontece logo é esta embrulhada, uma coisa é certa a unica preocupação é e sempre será o ouro negro.

  6. jack madruga says:

    Enquanto viver nunca esquecerei as atrocidades que se cometeram em nome de uma mentira, “Armas de Destruição Maciça” Gula a quanto obrigas. Tenho vergonha e nojo por um Português que serviu de capa a esta mentira, José Manuel Durão Barroso

  7. ocrs says:

    A morte de Stevens tem certamente mais a ver com as intrigas e desconfianças dentro da própria CIA do que o filme tragicomico sobre Maomé. Talvez um dia ainda venhamos a conhecer a verdade sobre este caso …

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s