A Guerra Total Contra o Islão

Hadith Abu Dawud 4 111

O Conselho de 'Segurança' da ONU à volta de uma mesa
O Conselho de ‘Segurança’ da ONU à volta de uma mesa

O documento interno que revelou que o exército Americano apela no seu material de formação a uma política de ‘Guerra Total’ contra o Islão, comtemplando inclusivamente o bombardeamento nuclear de Meca e de Medina, as duas cidades mais sagradas para os muçulmanos, apenas confirmou o que muitos muçulmanos e alguns não-muçulmanos já sabiam- O Bloco Ocidental, liderado pela nação dos Estados Unidos da América e operacionalizado pela NATO, adoptou, através da sua suposta ‘Guerra ao Terror’, uma política para com os países muçulmanos que só tem duas vertentes: o domínio ou a invasão. Países governados por políticos e reis corruptos e subservientes, como a Arabia Saudita, o Qatar, o Bahrain, o Kuwait e Marrocos (todos os cinco albergam bases Americanas, e todos os cinco são monarquias), estão a salvo de qualquer invasão na condição de cooperarem (ou seja, obedecerem) militarmente, politicamente e economicamente. Quanto se trata de Estados menos subservientes (cada vez mais escassos, sendo o principal adversário da NATO a República Islâmica do Irão), o Bloco Ocidental tenta subverter o respetivo Estado, assassina líderes políticos, envia tropas especiais e financia dissidentes internos. Se isto não funcionar, procede a uma invasão militar, ou directamente, ou indirectamente através de ‘proxy agents’. Podemos portanto dizer conclusivamente que a ‘Guerra ao Terror’ é e foi desde o inicio uma política de guerra total contra o Islão e os muçulmanos em particular, e para com os povos do Sul em geral.

Algumas das bases militares dos EUA no Médio Oriente
Algumas das bases militares dos EUA no Médio Oriente

O ultimo exemplo desta política é a invasão do Mali por Forças Francesas (país que colonizou o Mali, impondo o Francês como língua oficial) aliadas com forças aéreas de países da União Europeia por enquanto anónimos, com a bênção do Presidente do Mali. O objetivo desta invasão é de lutar contra dissidentes Tuaregues. O Conselho de ‘Segurança’ das Nações Unidas aprovaram unanimemente uma intervenção no país, em Julho de 2012. Os Tuaregues, como os Curdos, são uma etnia sem Estado cujas terras foram divididas entre diferentes países, e são constantemente oprimidos pelos Estados que atropelaram as suas terras. Mais uma vez, alegadas ligações entre os militantes Islâmicos do Mali e a Al-Qaeda assim como alegados massacres cometidos estão a ser utilizadas para vilificar os militantes e justificar uma intervenção militar.

Porém, a verdadeira questão em relação à intervenção militar no Mali deveria ser se esta terá a capacidade de promover a paz e a prosperidade para a população do Mali. Será uma intervenção no Mali a melhor forma de assegurar a proteção da população? O passado recente demonstra-nos precisamente o contrário. Uma invasão estrangeira, e sobretudo aquelas lideradas pelo Bloco Ocidental através da NATO e das Nações Unidas, têm resultado inevitavelmente e tragicamente no alastramento da zona de conflito, uma subidas das mortes e das lesões, assim como maior empobrecimento e sofrimento para a população, sobretudo as mulheres, as crianças e os idosos. Vejamos alguns dos resultados de intervenções parecidas em países de maioria islâmica, todos sob o pretexto da promoção da democracia, da luta contra a Al-Qaeda ou de um outro grupo terrorista qualquer, e a proteção da população:

Afeganistão– Invadido em 2001, o conflito continua em 2013. São 11 anos de conflito, sendo esta a guerra a de maior duração do século XXI superando a guerra mais prolongada do século XX (e só estamos em 2013), o conflito entre o Iraque e o Irão, que durou 8 anos (onde o Iraque, a força invasora que começou o conflito, e naquela altura ainda liderado por Saddam Hussein, recebeu apoio constante dos Estados Unidos da América). 2,000 militares Ocidentais mortos, 18,000 feridos. Cerca de 28,000 civis mortos (se adicionarmos as vítimas diretas das operações militares com os que morreram como resultado de emigração forçada e da fome. As mortes de soldados Americanos subiu exponencialmente entre 2001 e 2011, demonstrando claramente a intensificação progressiva do conflito, sendo que em 2012 baixaram ligeiramente.

Mortes de soldados Americanos por Ano no Afeganistão desde 2011 até Dezembro de 2012
Mortes de soldados Americanos por Ano no Afeganistão desde 2011 até Dezembro de 2012

Iraque– Invadido em 2003, as estimativas das mortes civis variam entre 110,000 e mais de um milhão, sendo o número de um milhão o mais correto se quisermos avaliar o resultado da invasão militar no seu todo. Ao contrário do que foi noticiado, as tropas Americanas não abandonaram o país, têm pelo menos cerca de 5,000 forças privadas, muitos deles ex-membros do exército e contratados por empresas privadas. Uma destas empresas é a infame Blackwater, controlada por fanáticos Cristãos que se identificam com os Templários e que defendem uma política de Cruzadas modernas contra o Islão. Os EUA têm igualmente uma cooperação próxima  com o exército Iraquiano.

Paquistão– O Paquistão tem sido o território preferido para a experimentação de drones não pilotados, um utensílio particularmente perverso porque aproxima o acto de assassinar com um jogo virtual, alienando eticamente o assassino facilitando portanto a agressão militar. Cerca de 40,000 civis e militares morreram até agora na ‘Guerra ao Terror’ levada a cabo pelo governo Paquistanês, assistido pelo exército Americano. O facto das estimativas da CIA apontarem para entre 2,000 mil e 3,500 mortos por drones não pilotados demonstra a natureza muito pouco seletiva desta campanha. Até agora o resultado tem sido, como seria de esperar, um acréscimo na revolta da população Paquistanesa para com os EUA e traumas permanentes, umas das razões pela qual uma escalada do conflito é provável.

Um operador de drones-não pilotados, repare-se no joystick, utilizado para jogos virtuais
Um operador de drones-não pilotados, repare-se no joystick, utilizado para jogos virtuais
Paquistaneses a protestar contra os ataques de drones
Paquistaneses a protestar contra os ataques de drones, Multan, Paquistão, 9 Fev. de 2012

Este video de recrutamento para o exército do Reino-Unido mostra um drone a ser pilotado com um comando de uma consola de jogos virtuais para crianças e adolescentes, a Xbox (segundo 00:12-00:15):

Líbia– De todos estes conflitos, a invasão da Líbia foi aquela que foi mais encoberta com mentiras, porque nem sequer é considerada como uma invasão estrangeira, é ainda vista por muitos como uma guerra civil. A verdade é que foi o resultado de invasão de insurgentes vindos de todo o Médio Oriente aliados com forças especiais (no terreno) e forças aéreas da NATO na luta contra o regime de Ghaddafi, conflito o qual posteriormente originou uma guerra civil. De Fevereiro a Abril de 2011, a Líbia era um dos assuntos mais mediáticos à escala global. Desde o assassinato de Muammar Ghaddafi, raramente se ouve falar deste país, agora em estado de guerra civil e instabilidade económica. A invasão da Líbia resultou em cerca de 30,000 vítimas e 50,000 feridos até Agosto de 2011, sendo o número de vítimas da guerra civil incerto. A Líbia pós-Ghaddafi foi, até agora, um desastre para a população. A queda de Ghaddafi foi instrumental por muitas razões, umas delas sendo que sem Ghaddafi, a União Africana é muito mais suscéptivel a ser instrumentalizada pela NATO, como se pode constatar, por exemplo, através do apoio desta organização nas futuras operações no Mali e nas operações presentes no Uganda (ver mais abaixo).

Síria– Exatamente como na Líbia, somente que nesta caso, de uma forma mais lenta e numa escala maior, o Bloco Ocidental está a financiar e armar dissidentes internos na Síria, importando igualmente insurgentes de outros países como a Turquia, nomeadamente alguns que acabaram de participar na guerra contra Ghaddafi. O apoio do Bloco Ocidental aos dissidentes armados só está a piorar a situação, resultando como previsto num escalamento da guerra e subida da violência. Até agora previsões apontam para cerca de 60,000 mortes civis,  se bem que temos que considerar que este mesmo número é questionável, e é utilizado para legitimar uma eventual invasão direta da NATO, a qual resultaria inevitavelmente numa subida exponencial das mortes. Os ditos ‘rebeldes’ também são culpados de massacres e todo o tipo de atrocidades. Exatamente como no Iraque, a NATO está presentemente a propor mais uma invasão utilizando as vítimas do regime de Bashar al-Assad como pretexto.

Existem igualmente frentes ativas da ‘Guerra ao Terror’ no Iémen, no Kashmir, na Costa do Marfim e na Somália, entre outros países.

O caso da intervenção dos EUA no Uganda, que só tem uma pequena minoria Islâmica (cerca de 10%) é particularmente interessante porque utilizou um filme supostamente ‘independente’, o golpe propagandístico conhecido por ‘Kony 2012’, para promover a popularidade da sua presença militar neste país. A presença militar Americana em África está a crescer consideravelmente sob o comando da AFRICOM (United States African Command), muitas vezes sob a alçada de projetos humanitários, como neste caso, na República do Congo.

Todos os números de mortes e feridos vêm de fontes Ocidentais pelo que algumas destas estimativas devem estar muito abaixo da realidade. Como disse o general dos EUA Tommy Franks em 2003, no exato momento em que o auge da campanha de bombardeamento no Afeganistão e no Iraque coincidiram, ‘We Don’t Do Bodycounts’, ou seja, ‘Nós Não Contamos os Corpos (das vítimas)’.

A atitude para com a população civil dos países que a NATO invade não mudou de todo. Pelo contrário. Infelizmente, a Guerra Total parece estar somente a começar.

João Silva Jordão

10 thoughts on “A Guerra Total Contra o Islão

  1. Sulliman says:

    Só para que não hajam equívocos.
    A formação do território português foi progressivo e só terminou com o
    Tratado de ALCÁÇOVAS, assinado entre D. Afonso V e seu filho D. João II com D. Fernando e D. Isabel de Castela em 1479. Momento culminante na configuração da Península em termos de construções político-sociais. Até então, a Cristandade permaneceu dilacerada e o mapa político peninsular não se encontrava fixado. A Reconquista (como política e estrategicamente se tendeu a interpretar a formação de reinos cristãos à custa do domínio muçulmano e como a guerra contra os Infiéis). A Reconquista foi levada a cabo justificando-se o primado bélico das Cruzadas com o mito da recuperação da Terra que os Mouros “no-la tem roubada” (diz-se no auto de Gil Vicente); mito coetâneo com a própria avançada cristã de cruzados que participaram na tomada de Lisboa; onde se proclamava que os Infiéis raptaram fraudulentamente o Reino da Lusitânia, que então voltava aos seus legítimos donos. As raízes e génese do Reino de Portugal devem-se às guerras e batalhas de expulsam levadas a cabo contra os Almorávidas e Almóhadas e também ao influente e poderoso Estado dentro dos Estados, que é a Igreja Católica. Ficou no entanto, a herança da sua cultura e a dos muladis (hispanos convertidos ao Islam). A propaganda contra os Infiéis marchar, já era utilizada naquele tempo. E Infiéis, heresia porquê, se o Deus monoteísta Alá é precisamente o Jeová Pai (teológico) de Jesus Cristo (sabendo nós que Jesus significou uma pessoa e o Cristo significa outra). Mas e não são os cristãos e os muçulmanos todos filhos espirituais do teísta patriarca Abraão ?! Então e os Romanos, os Celtas, os Suevos, e os Visigodos já não eram considerados Invasores da Ibéria porquê?! E dentro destes, nem todos eram católicos, pois havia muitos priscilianos e arianos ( seguidores do Bispo Ário) . Na formação deste mundo moçárabe, e portanto na de Portugal, intervém (como já referi) um poder que já estava solidamente implementado, que são as forças eclesiásticas, instituição que se pretende soberana (que deriva da Vontade divina) e com enormes ambições de riqueza dos seus dignitários, estendendo a sua influência na política, na legislação e na economia. Na Península os Reis não são coroados nem ungidos. A realeza e a nobreza concorrem e esbarravam permanentemente com os interesses do clero e as forças eclesiásticas, que se lhes opunha com todo o seu complexo organismo institucional. Estava particularmente vocacionada para se apropriar dos reguengos, padroados, coutos, herdades e honras. Numa sociedade analfabetizada, apenas os clérigos e os oficiais de justiça tinham acesso às Universidades. Com Humildade, remeto para a influência muçulmana: Almoxarifes, Almotacés, Alcaides, Alvazis (juizes), Alfândega, Aduana, Alcabalas, Alcântara (construção de pontes), onde circulavam os Almocreves, Açudes, Alvor (poços), Alcarias (casas rústicas), etc. E não nos esqueçamos da importante transformação agrária que se dera com o Islam, com a passagem do latifúndio para o emparcelamento. As Almargens e os Baldi (baldios), Quintal, Almude, Alqueire, Arroba, Arrátel, etc, etc. Pelas coutadas se debatiam a Igreja, os fidalgos e os barões. As herdades não eram lavradas nem aproveitadas como cumpria devido à longa contracção populacional. O abandono da Agricultura e portanto da cultura do pão (cereais), foi geral devido ao seu baixo rendimento (a relação receitas/custos) subiram e a lavoura é substituída pelo pastoreio e a criação de gado. A emigração e o despovoamento passou a ser uma praga. Isto já no reinado de D. Afonso IV . Os impostos são generalizados. Os grandes lavradores abandonam as fainas das herdades. Os grandes senhores (Cavaleiros, Fidalgos e Corregedores) entregam-se ao comércio mercantilista, à compra e venda de mercadorias. As vinhas passaram a coutadas. A substituição do pastoreio à agricultura, criou milhares de rurais à deriva, de vagabundos e ociosos vadios. Era queixa corrente de que os clérigos e fidalgos se entregavam à compra de muitos bens para depois os revender usando para isso a regatia e não queriam que os Almotacés hajam neles jurisdição. O infante D. Pedro advogará a criação de celeiros em certas comarcas para obstar a tanta miséria.. Ora na Cristandade grassa a “mendigaria vergonçosa” com a morte antecipada de muitos por fome cruel: o que não aconteceria se os bens temporais fossem razoavelmente repartidos. ( Virtuosa Bemfeitoria, Liv. II, cap. 9). Em contraste com a prosperidade dos prelados, nobreza, os burgueses e casas senhoriais, que se dedicavam ao comércio externo e à especulação financeira. Daí a urgência da aplicação por D. Fernando, da Lei das Sesmarias (1375) e do alvará sobre vadios e os ociosos que vivem dos rendimentos.

  2. Carlos Silva says:

    Mas alguém duvida que os verdadeiros terroristas são os Americanos: Sim, são eles mesmos. Não existe Bin Laden nem nunca existiu. O objectivo dos Americanos é este: que o mundo seja todo governado e controlado pelo Capitalismo. E o Sr. João Silva Jordão citou exemplos concretos. E quem me garante que o ataque às torres World Trade Center foi feita pela suposta organização terrorista Al-Qaeda que tanto os Americanos gostam de proclamar e não pelos próprios Americanos em seu território? Aonde os Americanos se metem deixam um rasto de destruição, de mortes, de instabilidade, pobreza e guerras civis nesses ditos países tudo com o pretexto de roubar tudo o que de tem de precioso esses países como petróleo, ouro e outros. Isto é o denominado Capitalismo selvagem.

  3. Sulliman says:

    A Nova Ordem Mundial A Ordem mundial de David Rockefeller ou Ordem Illuminati, é construída através do Clube Bilderberg, que é o seu parlamento mundial, onde os governantes da Terra, a mídia globalista e banqueiros se reúnem para maquinar seus projectos. É composta por: Comissão Trilateral (EUA – Japão – União Europeia). CFR: Política externa. G7-G8-G12-G20:(Blocos económicos). ONGS. Vaticano e Conselho Mundial de Igrejas. David Rockefeller criou a Comissão Trilateral a fim de o Japão e a União Europeia darem suporte aos EUA, para que a América domine o mundo. Além dos bloquinhos, David Rockefeller também conta com as ONGS, o objectivo delas é provocar a instabilidade, a pobreza, a anarquia em vários países para que o Clube Bilderberg intervenha através do FMI (e actualmente também o BCE e a CE), e apresente as suas soluções (que todos nós já as conhecemos), com o único objectivo de ficarem esses países, indefinidamente a pagar juros aos agiotas e usurários do costume, pois continuam a ser os mesmos, as mesmas oligarquias mercantes, os cambistas e especuladores, os prestamistas das dívidas públicas que remontam aos Ferraras, aos Genoveses, aos Venezianos, aos Mântuas, aos Florentinos, aos Médicis. Foram estes que montaram as estruturas capitalistas. Do lado religioso , David conta com o Conselho Mundial de Igrejas, que fornece todo o apoio ao Papa (Vaticano), e ao seu estado de Israel, que é a sede ideológica do governo. Para escravizar a humanidade, David Rockefeller se inspirou no livro “A Era Tecnotrônica” de Zbigniew Brzezinski a fim de implantar micro chips RFID na humanidade, obtendo assim um controlo mais eficás . O papel da ONU não é ser o Parlamento Mundial mas sim, ser uma polícia política global desta Nova Ordem Mundial criada por meio da Globalização. Os governantes europeus são meros assessores desta política na União Europeia e do BCE, que tal como outros líderes mundiais, não passam de novos Herodes a soldo do Goldman Sachs prontos a serem baptizados pelo “espírito santo” do sistema financeiro internacional babilónico. A Santa Sé apelou aos católicos italianos para que votassem no ex-comissário europeu e ex-Goldman Sachs Mario Monti, que com o voto do Vaticano esteve 14 meses à frente de um governo tecnocrático e contabilístico a pedido também do Presidente da República Giorgio Napolitano. A UE juntamente com a falsa esquerda italiana, fizeram Berlusconi cair e Monti subir. O Vaticano sendo uma organização secular e também uma multinacional, é o principal responsável pela “Civilização Ocidental” e por mesmo do estado a que Humanidade chegou. “Pelos frutos vê-se a árvore” . Por tudo isto, em todos os países do euro em crise, há uma crescente deslegitimação da classe política, que é vista como estando refém da “UE” e esta dos EUA.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s