Autor: Chappatte
Autor: Chappatte

A União Europeia alega ser um projecto democrático, eticamente superior aos seus vizinhos. A imagem que tenta projectar é aquela de um bastião de liberdade e civilização, com a Federação Russa autoritária e perigosa a Leste, o Médio Oriente bárbaro e violento a Sudeste e a Africa pobre e atrasada a Sul.

Mas longe de ser um bastião de civismo e compaixão, há séculos que a estrutura de poder dominante da Europa se comporta como um vil culto da morte, espalhando o terror e a destruição pelo mundo fora. A ultima tragédia no Mediterrâneo, em que centenas de imigrantes que tentavam desesperadamente fugir à guerra e à miséria morreram afogados, e sobretudo a resposta da União Europeia para com esta tragédia, demonstra que por detrás da fachada de superioridade ética e civilizacional, a estrutura Estatal Europeia ainda não ultrapassou as tendências genocidas que tem vindo a desenvolver durante os últimos séculos, tendo virtualmente como única solução para os problemas que se lhe apresentam a violência premeditada.

Como seria de esperar, o conselho da União Europeia (UE) que se reuniu em urgência depois das centenas de mortes no Mediterrâneo chegou à conclusão que a reposta da UE vai ser de intervir militarmente contra os ‘traficantes de imigrantes’ e aumentar o orçamento para policiar o Mediterrâneo. Para além de ridícula, esta ‘solução’ é superficial, contraproducente e hipócrita. Sobretudo, a reacção da UE mostra a sua verdadeira natureza, nomeadamente, que o seu principal objectivo político é o de aglomerar o maior número possível de Estados Europeus de forma a formar uma superestrutura Federal que poderá defender, consolidar e expandir a hegemonia Ocidental sobre o resto do mundo. A própria União Europeia até produziu um vídeo, posteriormente retirado por ter sido considerado racista e impróprio, em que iloustra a sua lógica fundadora, em que a ‘União’ não é uma união entre os povos Europeus em nome da solidariedade, mas sim uma reacção paranóica ao medo de eventuais ameaças exteriores.

Superficial:

Os imigrantes que arriscam a travessia do Mediterrâneo, apelidada por muitos de ‘travessia da morte’, fazem-no, na maioria dos casos, para fugir à pobreza e à violência. A imigração é uma reacção de desespero a condições de sofrimento extremo, é um sintoma de uma causa. Uma verdadeira solução teria que tentar por termo ao duplo flagelo da pobreza e da guerra. O necessário seria uma profunda reforma das relações económicas mundiais, uma redistribuição da riqueza e a redução de relações de dependência económica, ou seja, seria necessária uma abordagem mais radical, o que significaria adoptar uma abordagem mais profunda e consciente. Em vez disso a UE tenciona adoptar medidas violentas, e portanto superficiais, de modo a evitar qualquer verdadeira mudança política.

Contraproducente:

Uma intervenção militar não somente não iria resolver os problemas em questão, iria sem dúvida exacerbá-los. Irá forçar os traficantes de pessoas a militarizar-se ainda mais, a refugiar-se cada vez mais na clandestinidade e na violência, sem por isso reduzir o número de pessoas que procuram os seus serviços. Pelo contrário, mais guerra e violência aplicada por forças militares ultra-tecnológicas, como são as forças da UE, em regiões já desestabilizadas somente irá perpetuar o circulo vicioso de colapso político e social em certas áreas críticas do Médio Oriente e da África.

Hipócrita:

É tragicamente óbvio que o fluxo de imigração desesperada tem como uma das principais causas as intervenções militares Ocidentais recentes, nomeadamente, mas não só, no Iraque, na Líbia, no Mali e na Síria. A estrutura de poder Ocidental defende que intervenções militares são a resposta mágica para todo o tipo de problemas complexos, nomeadamente, catástrofes ecológicos (ver o exemplo do terramoto no Haiti de 2010), défices de democracia (ver a invasão do Iraque de 2003), necessidade de mudança de regime político (ver Síria a partir de 2011), repressão de movimentos revolucionários (ver Iémen em 2015), etc.- todo e qualquer problema serve para justificar mais uma intervenção militar. Mas inevitavelmente, estas intervenções acabam por gerar ainda mais sofrimento para as populações dos países invadidos, somente beneficiando a minoria que lucra da industria da guerra, gerando milhares de refugiados prontos a tudo para fugir das áreas de conflito. A invasão da Líbia de 2011 é o exemplo máximo de como uma missão alegadamente democratizadora acaba por piorar ainda mais a condição do país visado. É claro que intervenções militares fazem parte do problema e não da solução.

Conclusões Relativamente à Natureza da União Europeia:

A UE está a adoptar uma atitude que, para além de profundamente hipócrita, é igualmente infantil, tentando convencer a sua população que simples actos de agressão militar serão suficientes para impedir tragédias futuras, sem por isso ter que mudar o seu próprio estilo de vida, modelo económico ou visão do mundo. Toda a abordagem da UE parece seguir o guião de um filme de acção de Hollywood de má qualidade, em que todos os problemas do mundo se resolvem ao enviar homens brancos armados até aos dentes para matar os ‘maus da fita’, quase sempre representados por supostos criminosos de pele mais escura. Depois de uma série de peripécias visualmente impressionantes, incluindo explosões aparatosas, bombardeamentos aéreos e muita violência gratuita, os maus da fita acabam inevitavelmente por ser neutralizados lá para o final do filme, enquanto que os bons vivem felizes para sempre.

O paradoxo aqui é que como resultado do Ocidente tender para agir como se fosse um herói num filme de acção de Hollywood, as suas acções acabam por fazer com que mundo cada vez mais se pareça com uma tragédia Grega.

E esta tragédia tem que ter da nossa parte uma resposta decisiva, e ela tem que vir na forma de uma declaração de guerra. Mas para que esta guerra seja vitoriosa, para que consiga por termo às mortes e ao sofrimento no Mediterrâneo, para que possamos por termo à desgraça que tem sido ao longo dos últimos séculos a atitude da Europa para com o resto do mundo, temos que declarar guerra não aos traficantes de pessoas mas sim aos traficantes de armas. E a maioria (cerca de 75%) das armas são fabricadas e vendidas precisamente pelos Estados Unidos da América ou por países que integram a União Europeia.

Vendas de armas, por país
Vendas de armas, por país

Somente o desmantelamento progressivo da industria militar irá parar a espiral de violência que tem gerado centenas de milhares de refugiados prontos a arriscar a própria vida para fugir a conflitos que destroem os seus lares. A solução encontrada pela UE, que é a de aplicar ainda mais violência, continuando a alimentar o monstro que é o Complexo Industrial-Militar Ocidental, é precisamente o oposto do que seria necessário.

Para quem ainda tinha dúvidas, a máscara caiu de vez. A União Europeia faz parte do problema, não da solução, e está a dar continuação à preocupante tendência histórica da Europa de interagir com o resto do mundo como se de um sinistro culto da morte se tratasse.

Joao Silva Jordão